Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

Millennials na gerência: 4 fatos mostram que essa geração está remodelando o trabalho

Ana Maria Correa

"A geração do milênio tem direito."

"A geração do milênio é viciada em mídia social".

"A geração do milênio está falida".

Uma nova semana, uma nova manchete sobre a geração que compõe mais de um terço da força de trabalho do país. Embora exista muita tinta sobre como gerenciar a geração do milênio, e o impacto que a geração do milênio está exercendo como gerentes?

A geração do milênio, normalmente definida como a geração nascida entre 1981 e 1996, tem sido a maior geração na força de trabalho desde 2016. Essa geração está cada vez mais ocupando cargos de gerência média, com alguns com funções de vários níveis de alto desempenho migrando para executivos seniores.. Em muitas empresas, a geração do milênio está gerenciando a Geração X e até alguns baby boomers - e reformulando a dinâmica profissional no processo.

Como nas gerações anteriores, é tentador pintar a geração do milênio com pinceladas amplas, generalizando cerca de uma geração com mais de 73 milhões de pessoas. Dito isto, os millennials, em média, abordam o gerenciamento de maneira muito diferente das gerações anteriores. Como gerentes, esses nativos digitais baseados em valor estão mudando as regras de comunicação, feedback e formação de equipes no local de trabalho. Aqui estão o que eles estão fazendo de maneira diferente - e possíveis armadilhas ao longo do caminho.

1.Feedback consistente

Em 2015, um artigo no SHRM declarou a revisão anual do desempenho como morta, e os especialistas observaram que essa abordagem não apenas consome tempo, mas também tem “correlação zero com os resultados reais dos negócios”. Cinco anos depois, os gerentes milenares são colocando a unha final no caixão da revisão anual, transformando sua preferência por feedback regular e consistente em check-ins frequentes e avaliações baseadas em projetos.

A geração do milênio favorece reuniões individuais semanais ou quinzenais que facilitam o curso correto antes que os funcionários não cumpram as metas de desempenho. No meu local de trabalho, temos vários profissionais da geração X se reportando a um milênio, e todos me disseram o quanto apreciam a disposição de seus gerentes de fornecer feedback e treinamento imediatos. Em um ambiente de vendas em que o salário está atrelado ao desempenho, essa abordagem é uma vitória para todos.

O desafio: qualidade do feedback. Um desafio consistente que os gerentes enfrentam, independentemente da idade, está fornecendo feedback específico e acionável aos funcionários. Isto é especialmente verdade para os millennials que estão gerenciando a Geração X. Esse grupo geralmente esperam que figuras de autoridade obtenham seu respeito e tenham tolerância limitada a banalidades genéricas ou conversas improdutivas. O feedback bem-sucedido vincula o trabalho de um funcionário à visão da empresa, identifica oportunidades específicas para melhoria de processos e inclui uma lista de verificação de responsabilidade para rastrear alterações e avaliar o desempenho futuro.

2. Gerenciamento virtual

Em um mundo onde podemos trabalhar de qualquer lugar a qualquer momento, a capacidade de criar e gerenciar equipes virtuais é uma habilidade crítica. Como nativos digitais, os millennials se sentem confortáveis com a comunicação instantânea em uma variedade de plataformas. Eles adotam esses canais virtuais para feedback, treinamento e gerenciamento de projetos e facilitam a criação de equipes em diferentes regiões e fusos horários. Em comparação com os gerentes das gerações anteriores, os gerentes milenares têm mais chances de contratar trabalhadores remotos e de permitir que os funcionários atuais trabalhem fora do escritório, de acordo com uma pesquisa da Upwork de 2019.

O desafio: sobrecarga de comunicação. É fácil se afogar na interminável quantidade de e-mails, notificações do Slack, mensagens instantâneas e atualizações de status automatizadas. Os gerentes da geração do milênio, juntamente com seus funcionários, devem equilibrar o contato consistente com o tempo de foco ininterrupto dedicado a tarefas gerais.

3. Colaboração ao invés de competição

 A chamada “geração eu” também é a geração da equipe: a geração do milênio prefere um local de trabalho colaborativo a um competitivo. Crescendo em um mundo com informações infinitas na ponta dos dedos, os millennials sabem que nenhuma pessoa tem todas as respostas e abraçam a diversidade - gênero, raça e sim, até a idade - nas equipes. Essa é uma ótima notícia para as empresas. Equipes diversas superam consistentemente grupos homogêneos em tudo, desde inovação e produtividade até qualidade de tomada de decisão e desempenho organizacional.

O Desafio: Gerenciando Conflitos. Lidar com conflitos de forma construtiva é complicado, não importa em qual idade. Mas, para uma geração com reputação de fantasma, os gerentes milenares precisam se sentir confortáveis com o desconfortável. Os gerentes milenares que evitam conflitos são percebidos como passivos-agressivos ou fracos por seus funcionários - dois resultados que prejudicam a atmosfera de equipe colaborativa que eles estão trabalhando duro para construir.

4. Liderança dos valores em primeiro lugar

A geração do milênio, mais do que qualquer geração anterior, quer trabalhar para uma empresa que reflete seus valores. À medida que as fronteiras entre trabalho e vida continuam a se esvair, os millennials precisam do trabalho que realizam. Para gerentes milenares, isso pode se manifestar de várias maneiras, incluindo o desejo de conectar atribuições de volta aos objetivos gerais e ao trabalho orientado à missão. Quando os valores de um gerente milenar se alinham ao seu trabalho, isso pode resultar em uma liderança apaixonada e estimulante que inspira toda a equipe a alcançar novos níveis de sucesso. 

O desafio: regular os níveis de entusiasmo. O outro lado da liderança energética é o gerenciamento apático. Quando um gerente é desmembrado, isso tem um efeito cascata na equipe, diminuindo o entusiasmo e prejudicando a produtividade. Para a Geração X, que normalmente se preocupa mais com a conclusão do projeto designado do que com a preocupação se o projeto “despertar alegria”, o gerenciamento apático cria um atrito desnecessário que prejudica o moral e aumenta a rotatividade.

Desde o surgimento de equipes remotas até o feedback instantâneo sobre o desempenho, os gerentes milenares estão reformulando o local de trabalho. Como muitos gerentes iniciantes, a geração do milênio não chega em casa todos os dias. Mas a disposição deles de abraçar uma força de trabalho ágil e as tendências tecnológicas são fundamentais para preparar as empresas para os desafios de amanhã - e garantir um fluxo constante de talentos inovadores e engajados.

Fonte: www.forbes.com

Topics: Recursos Humanos, Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts