Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

O mito da liderança durante a crise

Marcelo Marcondes - Atração de Candidatos

Pesquise no Google a frase “liderança durante a crise” e você recebe mais de meio bilhão de resultados. Agora é um dos tópicos mais populares nas mídias sociais, com novas entradas aparecendo diariamente. Todos no mundo dos negócios estão falando sobre isso, e todos parecem caracterizá-lo da mesma maneira: que a liderança em crises reflete um conjunto de habilidades ou perfil psicométrico altamente especializado que é significativamente diferente da liderança "cotidiana",

O espírito ou intenção desses artigos é certamente louvável. De fato, o desenvolvimento da liderança continua sendo tanto uma arte quanto uma ciência. No entanto, a premissa básica da liderança em crises, como costuma ser discutida, é muitas vezes equivocada ou f incorreta.

Os estudos psicométricos de mais de 50.000 líderes de todo o mundo reescrevem claramente a ideia de liderança em meio a uma grande crise em favor de uma troca simples: uma grande liderança em meio a crises. Essa pequena mudança na ordem das palavras reflete uma enorme diferença na teorização da natureza da liderança.

A anatomia da liderança

A noção clássica de liderança enfatiza a capacidade de definir e adotar uma visão, formular ações e objetivos para promovê-la e, posteriormente, comunicar essa visão para que outros se inspirem a seguir. Nas últimas décadas, essa visão foi reformulada ou reinterpretada como uma filosofia simples de que fazer com que outras pessoas tenham sucesso é a principal prioridade da liderança de servidores.

A liderança, na verdade, envolve três dimensões de desempenho:

  • Habilidades de execução;
  •  Habilidades de pessoas;
  • Habilidades cognitivas.

Cada uma dessas três dimensões contém uma variedade de atitudes, habilidades e áreas de conhecimento distintas. No entanto, não estamos lidando com um conjunto aleatório de recursos. Em vez disso, existe um conjunto estável de recursos específicos que se relacionam de maneira estruturada. Ou seja, certas atitudes, habilidades e conhecimentos de domínio podem demonstrar previsivelmente baixos, médios e altos níveis de liderança.

A liderança focada em soluções é a chave para o sucesso. Aprendizado e evolução contínuos, abertura a mudanças e oportunidades, tomada de risco calculada e receptividade a outras perspectivas - uma forte liderança oferece isso e, ao fazê-lo, também passa a ser a estrutura que facilita o gerenciamento eficaz de crises.

Abaixo está um esboço de nove traços ou tendências que definem a liderança em todos os contextos e circunstâncias, não apenas em situações de crise. Existem componentes adicionais, mas esta amostra de características ilustra a adaptabilidade e versatilidade de um forte perfil de liderança.

Capacidades de Líderes Fortes

Habilidades de execução

  • Tolerância à ambiguidade: capacidade de resistir ao pensamento em preto e branco e, assim, lidar melhor com situações que envolvem incerteza.
  • Resiliência: capacidade de tomar iniciativa, pressionar por ação, gerenciar o estresse e manter a perspectiva diante das adversidades.
  • Atenção aos detalhes: consciência de elementos críticos na estratégia ou execução.

Habilidades Pessoais

  • Integridade comportamental: os atos correspondem de maneira confiável às suas palavras.
  • Inteligência emocional: capacidade de entender, usar e gerenciar as próprias emoções de maneiras positivas para aliviar o estresse, comunicar-se efetivamente, ter empatia com os outros, superar desafios e neutralizar conflitos.
  • Feedback proativo: capacidade de fornecer orientação ou redirecionamento direto e construtivo sobre o desempenho de alguém.

Habilidades cognitivas

  • Raciocínio analítico: capacidade de pensar logicamente e sobre informações ou questões e cálculos numéricos associados.
  • Abordagem consultivo-colaborativa medida: tomada de decisão decisiva que se baseia na contribuição de outras pessoas, conforme necessário.
  • Pensamento estratégico: mentalidade proativa e proativa, focada em soluções. O equilíbrio matizado entre os dados empíricos e a intuição do negócio para ver nas esquinas e agir de acordo.

Grande liderança

Essa rede de características interconectadas e reforçadas mutuamente ajuda a capacitar os indivíduos a liderar efetivamente através de um conjunto diversificado de condições e circunstâncias. Algumas condições podem ser positivas, como startups e fusões ou aquisições de negócios que contribuem para os modos de crescimento. Outros podem ser negativos, como redução de tamanho de negócios, aquisições hostis, desastres naturais, convulsões políticas ou disruptores tecnológicos.

As muitas formas de gerenciamento de crises estão, portanto, apenas entre esses muitos cenários. Obviamente, é importante entender que episódios de conflito ou caos normalmente revelam e amplificam o verdadeiro perfil de liderança de um indivíduo.

O perfil psicométrico demonstra que liderança não é uma coisa, atitude, habilidade ou conhecimento genérico. Em vez disso, a liderança é uma construção multifacetada que compreende inúmeras variáveis ​​de sucesso relacionadas às mãos, coração e cabeça. Esse perfil cumulativo permite ou desativa a capacidade de um indivíduo de alinhar, motivar e mobilizar equipes ao longo de momentos de mudança, incerteza e crise. Se sua empresa conhece apenas estabilidade, é provável que precise apenas de gerentes, não de líderes.

fonte: www.forbes.com.br

Topics: Recursos Humanos, Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts