Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

O que a mudança na definição de “ágil” significa para o RH

Leticia Moura

No RH, “ágil” pode se referir a muitas coisas: pesquisa e desenvolvimento ágil, contratação ágil, benefícios ágeis ou cultura ágil. Mas neste artigo, abordarei as forças de trabalho ágeis, porque entender como as definições e a aceitação do ágil evoluíram definirá o cenário para o próximo capítulo.

Por "força de trabalho ágil", não me refiro apenas a controle remoto. O trabalho remoto tornou-se uma questão de mesa - mesmo antes da pandemia, mais de 50%  dos funcionários dos EUA trabalhavam remotamente pelo menos uma vez por semana, e esse número obviamente aumentou dramaticamente nos últimos meses. Em vez disso, estou me referindo às forças de trabalho que combinam funcionários essenciais e não contingentes com contratados e funcionários baseados em projetos.

Olhando para trás, os dados nos dizem que havia tanto entusiasmo generalizado sobre o trabalho ágil quanto barreiras à adoção. Nossa pesquisa de 2016 sobre trabalho ágil constatou que mais da metade dos executivos estava comprometida em alavancar trabalhadores ágeis no futuro, mas 64% enfrentavam dificuldades devido a preocupações de conformidade e requisitos regulatórios. Os trabalhadores também eram céticos, com menos da metade dizendo que escolheriam se juntar à força de trabalho ágil.

Benefícios e barreiras à força de trabalho ágil

As empresas em transformação ágil descobriram muitos benefícios. Como a maioria dos trabalhadores ágeis é remota, o acordo oferece novas oportunidades de emprego para uma base de funcionários mais diversificada, incluindo cuidadores domésticos, pessoas com deficiências diferentes e populações rurais e economicamente desfavorecidas. Arranjos de trabalho ágeis também podem levar a um melhor equilíbrio entre vida pessoal e trabalho, menor consumo de combustível fóssil e menor tensão na infraestrutura de transporte em ruínas.

Mas enquanto 30% dos empregadores pesquisados ​​disseram que desejam ampliar seu pool de talentos para incluir mais e uma variedade maior de trabalhadores ágeis, 60% não possuem processos adequados de gerenciamento de talentos. Além disso, 54% dos empregadores disseram que são inconsistentes na maneira como gerenciam trabalhadores ágeis porque não possuem processos maduros. Em grande parte, isso ocorre porque as empresas estão agindo de maneira transacional - com foco em práticas ou processos específicos - quando deveriam pensar estrategicamente. Abaixo estão algumas sugestões sobre como mudar a mentalidade organizacional em direção à agilidade.

Práticas recomendadas para melhorar a agilidade no local de trabalho

Não importa como os trabalhadores são classificados, os empregadores devem pensar em todos os funcionários como "colaboradores", o que ajuda as organizações a mobilizar talentos por caminhos mais fluidos e menos lineares.

A tecnologia também desempenha um papel na conexão e na capacitação da força de trabalho ágil, mas pode ser uma faca de dois gumes. Certamente, você deve tirar proveito dos novos pontos de contato digitais e de tecnologia de contratação, que prometem acelerar os processos de contratação, reduzir o tempo gasto em trabalho de menor valor e melhorar os resultados da contratação - uma vitória para empregadores e trabalhadores. Também ajuda a capacitar a força de trabalho ágil por meio de ferramentas digitais de treinamento e engajamento. 

No entanto, também há uma desvantagem. Por exemplo, 42% dos funcionários pesquisados dizem que eles devem estar disponíveis fora do horário normal de trabalho e 45% devem estar disponíveis durante os feriados e as "folgas". Isso pode levar à exaustão entre todos os tipos de funcionários, porque os nativos digitais de hoje são programados para ação e imediatismo, geralmente vendo apenas o que está diretamente na frente deles, em vez de prioridades estratégicas de negócios. Levar à descompressão pode ajudar a corrigir isso.

Por fim, os esforços de adoção ágil devem ser liderados desde o topo, com o objetivo de impactar diretamente o núcleo (pense: amplitude, profundidade e consistência). Ao mesmo tempo, o ritmo da adoção ágil tende a ser desigual, portanto, não hesite em dimensionar seus recursos ágeis nas áreas que parecem prontas. E não se esqueça de medir. Os ciclos de feedback baseados em dados empíricos mostram como o trabalho ágil agrega valor e impulsiona o progresso. Nesse contexto, as métricas importam mais do que nunca.

À medida que o local de trabalho ágil continua evoluindo e se expandindo, encontrar maneiras de empresas e sociedade apoiarem significativamente trabalhadores ágeis se tornará mais importante.

Fonte: Forbes.com

Topics: Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts