Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

Por que as novas contratações falham (inteligência emocional X habilidades)

Renato Dias
Sigam me:

De acordo com um estudo do Leadership IQ, 46% dos funcionários recém-contratados falharão em 18 meses, enquanto apenas 19% alcançarão um sucesso inequívoco. Mas, contrariamente à crença popular, as habilidades técnicas não são a principal razão pela qual novas contratações fracassam; em vez disso, a falta de habilidades interpessoais domina a lista, falhas que muitos de seus gerentes admitem ter sido negligenciadas durante o processo de entrevista de emprego.

O estudo constatou que 26% dos novos contratados falham porque não podem aceitar feedback, 23% porque não conseguem entender e gerenciar emoções, 17% porque não têm a motivação necessária para se destacar, 15% porque têm o temperamento errado para o trabalho e apenas 11% porque não possuem as habilidades técnicas necessárias.

O estudo de três anos da Leadership IQ, uma empresa global de treinamento e pesquisa em liderança, compilou esses resultados depois de estudar 5.247 gerentes de contratação de 312 organizações públicas, privadas, de negócios e de saúde. Coletivamente, esses gerentes contrataram mais de 20.000 funcionários durante o período do estudo.

Embora a taxa de fracassos para novas contratações seja angustiante, não deve ser surpreendente: 82% dos gerentes relataram que, em retrospectiva, o processo de entrevista de emprego com esses funcionários suscitou indícios sutis de que eles estariam em apuros. Porém, durante a entrevista de emprego, os gerentes estavam concentrados demais em outros assuntos, pressionados demais pelo tempo ou não tinham confiança em suas habilidades de entrevista para atender aos sinais de alerta.

"O processo típico de entrevista de emprego se concentra em garantir que novas contratações sejam tecnicamente competentes", explica Mark Murphy, CEO da Leadership IQ. "Mas coachability - em tradução livre, significa estar aberto a receber feedbacks, sejam positivos ou negativos, e estar disposto a aplicá-los.- , inteligência emocional, motivação e temperamento são muito mais preditivos de sucesso ou fracasso de novos contratados. As habilidades técnicas realmente importam se o funcionário não está disposto a melhorar e não tem inteligência emocional?

O estudo acompanhou o sucesso e o fracasso de novos contratados e entrevistou os gerentes sobre suas táticas de contratação e desempenho, personalidade e potencial de novos contratados. Ao concluir as 5.247 entrevistas, o QI da liderança compilou, categorizou e destilou as cinco principais razões pelas quais as novas contratações falharam (ou seja, foram encerradas, deixadas sob pressão, receberam ação disciplinar ou análises de desempenho significativamente negativas). A seguir, são apresentadas as principais áreas de falha, correspondentes à porcentagem de respondentes:

  • Coachability (26%): a capacidade de aceitar e implementar feedback de chefes, colegas, clientes e outros.

  • Inteligência Emocional (23%): A capacidade de entender e gerenciar as próprias emoções e avaliar com precisão as emoções de outras pessoas.

  • Motivação (17%): Movimentação suficiente para atingir todo o potencial e se destacar no trabalho.

  • Personalidade (15%): Atitude e personalidade adequadas ao trabalho e ambiente de trabalho específicos.

  • Competência técnica (11%): habilidades funcionais ou técnicas necessárias para realizar o trabalho.

Além disso, o estudo não encontrou diferença significativa nas taxas de falhas nas diferentes abordagens de entrevistas (por exemplo, comportamental, cronológica, estudo de caso etc.). No entanto, 812 gerentes obtiveram significativamente mais sucesso na contratação do que seus pares. O que diferenciou sua abordagem de entrevista de emprego foi a ênfase nas questões interpessoais e motivacionais.

"Entrevistadores altamente perspicazes e psicologicamente experientes podem avaliar o desempenho provável dos funcionários em todas essas questões", explica Murphy. "Mas a maioria dos gerentes não tem o treinamento necessário para ler e avaliar com precisão os candidatos, nem a confiança para agir mesmo quando suas avaliações estiverem corretas".

"Falhas na contratação podem ser evitadas", observa ele. "Se os gerentes concentrarem mais sua energia de entrevista na co-capacidade, inteligência emocional, motivação e personalidade dos candidatos, eles verão grandes melhorias no sucesso de contratação. A competência técnica continua sendo o assunto mais popular das entrevistas, porque é fácil de avaliar. Mas, embora a competência técnica seja fácil de avaliar, é um péssimo preditor de se um funcionário recém-contratado será bem-sucedido ou não. "

"O custo financeiro das falhas de contratação, juntamente com o custo de oportunidade de não contratar funcionários de alto desempenho, pode chegar a milhões de dólares, mesmo para pequenas empresas", acrescenta Murphy. "E o custo humano pode ser ainda pior. Se um hospital, por exemplo, contrata uma enfermeira com baixa inteligência emocional, que não aceita feedback e afasta farmacêuticos e médicos, o resultado pode ser um erro médico. Essa má decisão de contratação pode custar ao paciente a vida deles."

Fonte: www.leadershipiq.com

Topics: Recursos Humanos, Recrutamento e seleção

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts