Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

4 ingredientes de uma organização que prosperará na era pós-pandemia

Marcelo Marcondes - Atração de Candidatos

A pandemia colocou as culturas das organizações sob o microscópio. Infelizmente, nem todo mundo gostou do que viu. Se existe alguma coisa positiva nessa crise, é que ela nos permitiu ver as coisas de maneira diferente e entender melhor onde há rachaduras em nossos sistemas, em escalas grandes e pequenas. Durante a crise, os líderes organizacionais viram onde existem lacunas em seus modelos de negócios e entre suas equipes executivas.

O que recentemente coletamos de uma pesquisa da AESC com líderes de alto escalão é que os CEOs geralmente não têm a mesma visão da cultura de suas organizações que seus líderes funcionais. Os conselhos e os CEOs tendem a ver suas culturas como críticas e eficazes para atrair e reter os principais talentos. Os executivos de RH também têm maior probabilidade de ver culturas através desses óculos cor de rosa. Mas, quando olhamos para outros líderes de alto escalão - finanças, marketing, tecnologia - há uma visão bem diferente.

À medida que avançamos em direção à recuperação da pandemia, os CEOs desejam reavaliar suas estratégias, talentos e culturas para garantir que todos estejam alinhados em toda a organização. Então, quais são os principais ingredientes para uma cultura organizacional que prosperará em um mundo que parecerá diferente do que estamos acostumados?

Agilidade

Combinando flexibilidade com velocidade e capacidade de resposta, a agilidade é a qualidade mais procurada atualmente em organizações e líderes vencedores. Vivemos em um mundo cada vez mais imprevisível, e as empresas que cultivaram culturas preparadas para enfrentar a incerteza são as que prosperarão nos próximos anos. As organizações conhecidas pela agilidade estão muito mais bem equipadas para responder à pandemia do Covid-19, enquanto as menos ágeis se debatem.

As culturas ágeis são ágeis e muito menos hierárquicas. Eles promovem a flexibilidade necessária para responder rápida e efetivamente a novos concorrentes, condições inesperadas de mercado e tecnologia disruptiva. As culturas ágeis adotam a mudança - elas são orientadas para a aprendizagem e não têm medo do desconhecido. Líderes ágeis são frequentemente descritos como "líderes catalisadores", o que significa que elevam o desempenho de outras pessoas ao seu redor por inspiração, motivação e apetite por experimentação.

Colaboração


Muitas vezes confundida com o trabalho em equipe, a colaboração não é a mesma. Embora a colaboração possa ser estimulada pelos líderes focados na equipe, a colaboração em si se baseia em valores compartilhados em toda a organização. As culturas colaborativas nutrem camaradagem, respeitam diferentes pontos de vista, recompensam vitórias e aprendem com os erros. Uma cultura colaborativa é uma cultura altruísta que se esforça para elevar todos ao seu potencial mais alto. Uma comunicação forte é fundamental para uma cultura de colaboração. As culturas colaborativas alavancam a tecnologia em uma busca constante por uma melhor comunicação interna e externamente com seus clientes, acionistas e comunidades. Durante a pandemia, as culturas colaborativas alcançaram a continuidade dos negócios de maneira mais transparente por meio da rápida adoção de tecnologias virtuais focadas na conexão.

Inclusão

Existem inúmeros estudos que demonstram o caso comercial da diversidade. Diversas organizações simplesmente superam aquelas em que a diversidade é menos priorizada. Como resultado, a maioria das empresas se tornou mais consciente da diversidade e busca talentos diversos. Mas talento diverso por si só não é suficiente. Para ver o verdadeiro poder da diversidade, uma organização também deve ter uma cultura inclusiva. Geralmente é onde as empresas erram o alvo.

Culturas de inclusão instilam um sentimento de pertencimento, onde todos são valorizados, respeitados e incentivados a participar e se manifestar. As organizações inclusivas se conectam emocionalmente com seus clientes internos e externos e comemoram as diferenças. A confiança é fundamental para uma cultura de inclusão, apoiando a escuta ativa e incentivando diferentes perspectivas. A segurança psicológica é uma corrente subjacente de culturas inclusivas que permite um nível de vulnerabilidade. De certa forma, a pandemia permitiu que os funcionários aparecessem completamente e fossem verdadeiros e autênticos, com a tecnologia virtual removendo o verniz e trazendo colegas e clientes para dentro de nossas casas. A inclusão será um requisito em um mundo pós-pandemia.

Inovação

Os clichês do Vale do Silício geralmente vêm à mente quando as pessoas pensam em inovação. Eles tendem a se concentrar na diversão e nas peculiares mesas de pingue-pongue e laboratórios de incubação. 

Enquanto culturas de inovação prezam por estruturas abertas e planas e pensamento independente, culturas verdadeiramente inovadoras exigem liderança excepcionalmente forte e equipes altamente disciplinadas. Esse nível de disciplina é alcançado por meio de um equilíbrio de experiências divertidas e uma alta tolerância ao fracasso, juntamente com uma grande intolerância à incompetência. 

Em uma cultura inovadora, não há problema em falhar e aprender com um fracasso, mas não é bom ser incompetente. Essa característica significa que as culturas de inovação são altamente sinceras, o que exige um respeito coletivo por diferentes pontos de vista e uma mentalidade de "manifestação".

Uma cultura que exemplifica agilidade, colaboração, inclusão e inovação deve derivar de um forte senso de propósito compartilhado. Nos últimos meses, a mídia de negócios destacou meses o “movimento de propósito”, destacado pela Business Roundtable para Davos 2020 e além.

Uma nova visão para o "objetivo de uma corporação", comprometida não apenas com os acionistas, mas com um conjunto mais amplo de partes interessadas, incluindo funcionários, fornecedores, comunidades e nosso planeta, parece estar sendo adotada pelos líderes de nível executivo globalmente. Se a pandemia nos ensinou alguma coisa, é que não vivemos e não podemos viver em uma bolha. Nossas ações individuais têm consequências e, quando unidos por uma missão comum, estamos muito melhor posicionados para alcançar o sucesso.

As organizações melhor posicionadas para prosperar em um novo clima pós-pandemia terão desenvolvido culturas ágeis, colaborativas, inclusivas e inovadoras. Nosso futuro mundo dos negócios começará com um objetivo - uma superpotência que proporcionará avanços transformacionais para nossas empresas e nossas comunidades.

Fonte: Forbes.com

Topics: Recursos Humanos, Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts