Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

Contratação remota: como fazer um processo seletivo para o trabalho remoto

Renato Dias
Sigam me:

Como você tem contratado profissionais para trabalhar remotamente? Mesmo que esse formato exista há um bom tempo, é evidente que a pandemia acelerou essa adaptação. Portanto, precisamos conversar sobre essa necessidade emergente em descobrir como fazer contratações remotas.

A tendência é que o processo seletivo remoto seja cada vez mais comum. Segundo dados do State Of Remote Work 2021, 46% dos entrevistados (que começaram a trabalhar remotamente com a pandemia) informaram que a empresa está planejando adotá-lo permanentemente.

Sabemos como é importante ter um processo de recrutamento e seleção eficiente. Por outro lado, também entendemos que contratar profissionais remotos requer uma adaptação para esse novo formato. 

Foi pensando nisso que criamos este guia. Descubra a seguir como avaliar o perfil do trabalhador remoto e quais as melhores práticas para esse tipo de processo seletivo!

O que é trabalho remoto?

O trabalho remoto é um trabalho à distância. Na prática, o profissional tem a flexibilidade de desempenhar suas funções fora de um escritório convencional, como na própria casa, num hotel e até num coworking.

Contudo, como a equipe não está trabalhando tão próxima, como acontece no escritório tradicional, é um modelo de trabalho que requer práticas diferentes das que funcionam em locais presenciais. 

Afinal, os profissionais devem ter competências e comportamentos que se adaptam à interação por canais digitais e ferramentas na nuvem, garantindo a fluidez dos processos e projetos.

Qual o perfil ideal de um trabalhador remoto?

Como vimos, o trabalho remoto requer a análise de um novo cenário que precisa ser mapeado. Então, antes de readaptar a jornada do candidato, entenda quais as principais características que você deve observar.

Autodisciplina 

Considerando que o trabalhador remoto não tem supervisão constante para estimulá-lo com frequência, determinar quais tarefas devem ser feitas e como realizá-las, por exemplo, cabe a ele fazer sua própria gestão do tempo. Assim, a autodisciplina é uma habilidade fundamental nesse contexto.

Essa habilidade ajuda o indivíduo a ter critérios com o tempo gasto em cada atividade, senso de organização e responsabilidade para conciliar a vida profissional e a vida pessoal. Precisamos lembrar que o home office também traz interferências externas, como a rotina familiar e acadêmica. 

Além disso, a qualidade de vida e bem-estar também são importantes para manter a produtividade. Se o candidato tiver disciplina, saberá quando focar no trabalho e quando descansar.

Iniciativa

Outra situação comum de qualquer rotina de trabalho é ter dúvidas sobre algumas decisões importantes. Dessa forma, ao ter iniciativa, o funcionário consegue decidir por conta própria, fazer perguntas inteligentes, compartilhar ideias e buscar meios de aprender coisas novas.

Essa é uma competência comportamental essencial para a dinâmica do trabalho remoto. Com esse perfil, o funcionário consegue ter uma rotina mais rápida e fluida, buscando se capacitar continuamente. Também é uma habilidade que abre portas para outros atributos muito importantes, como criatividade e inovação.

Resolução de problemas

Não é produtivo que as pessoas paralisem o fluxo sempre que um problema surgir. Porém, no ambiente presencial, é mais comum que isso aconteça. Às vezes, quando o colega de trabalho está logo ao lado, fica fácil responder dúvidas e mostrar como agir em determinadas situações.

No entanto, no trabalho remoto é quase impossível ter um bom desempenho com esse tipo de comportamento. Isso significa que o candidato remoto precisa ter capacidade analítica para interpretar contextos e resolver problemas. De todo modo, ele deve ter bom senso de buscar ajuda após esgotar todas as suas fontes.

Comunicação clara e objetiva

Outra prática que difere o trabalho remoto do presencial diz respeito ao tipo de comunicação. Sabemos que, nesse ambiente, a maior parte do diálogo acontece via chat ou e-mail, e por vídeo de vez em quando. Ou seja, novos elementos deixam de ser figurantes e tornam-se os protagonistas dessa história. Por isso, o candidato precisa saber se comunicar de forma adequada para evitar ruídos e ter completo entendimento sobre o trabalho.

Ainda sobre a pesquisa State Of Remote Work 2021, quando os entrevistados foram questionados sobre quais habilidades mais tiveram que se adaptar no ambiente remoto, 41% responderam comunicação e colaboração.

Portanto, observe como o candidato dialoga no ambiente virtual. Por exemplo, se compartilha o andamento do trabalho, se sabe quando é a hora de ligar ou mandar email e se consegue demonstrar gentileza ao conversar virtualmente.

Conhecimento técnico na área

Em meio à rotina independente do trabalho remoto, que exige a tomada de certas escolhas por conta própria, é recomendável que o profissional remoto tenha, pelo menos, conhecimento básico sobre sua atuação. Com isso, ele saberá como alcançar um desempenho satisfatório por se sentir confortável e seguro sobre o que fazer.

Para contratar um funcionário sem experiência, como acontece em programas de trainee e estágios, por exemplo, é preciso adotar uma estrutura de mentoria, tutela e acompanhamento constante para oferecer orientação adequada. 

Portanto, se a sua empresa não consegue fornecer esse suporte remoto aos novos funcionários, o ideal é contratar com experiência.

Domínio do ambiente digital

É praticamente impossível falarmos de trabalho remoto sem o uso de tecnologias. Inclusive, já existem diversos softwares no mercado, sobretudo, para preencher as lacunas encontradas no home office, como apoio na automatização de tarefas, compartilhamento de resultados em tempo real e centralização da comunicação.

Em suma, a força de trabalho remota requer uma dinâmica colaborativa e ágil. E isso envolve ter costume com o uso de tecnologias e facilidade para interagir remotamente. 

Imagine as dificuldades trazidas por um profissional que não sabe como baixar um aplicativo ou ajustar a webcam, por exemplo? Ou seja, ao compor o perfil do candidato, você precisa considerar essa facilidade. 

Vale considerar, também, se o candidato tem recursos necessários para trabalhar remotamente, como internet apropriada, notebook e ambiente que condiz com as atividades desenvolvidas. 

Áreas como telemarketing e televendas, por exemplo, podem necessitar de ambiente silencioso para interagir com clientes. Em contrapartida, designers e programadores precisam de máquinas com configurações específicas para suportar certos softwares. Considere esses fatores ao planejar o processo seletivo.

Como fazer um processo seletivo remoto?

Percebeu como a contratação remota flexibiliza a maneira pela qual o processo seletivo é aplicado? Você pode utilizá-lo como alternativa durante o distanciamento social, garantindo que o recrutamento continue durante esse período, mas também pode adotá-lo de forma permanente para contratar equipes remotas.

De todo modo, é preciso ter recursos e soluções que se encaixem neste ambiente. Portanto, após desenhar o perfil ideal para o cargo remoto, é necessário digitalizar toda a jornada do candidato. 

Veja quais são as principais práticas que indicamos sobre contratação, seleção e aplicação remotas!

Divulgue as vagas em canais digitais

Considerando que a contratação remota acontecerá de forma online, é essencial que os canais de divulgação também sejam digitais. Alguns exemplos são grupos da área de atuação, redes sociais e plataformas próprias para recrutamento. Lembre-se de pensar na experiência do usuário ao planejar layout, elementos visuais e escrita para esses veículos.

Além disso, deixe claro que o trabalho é remoto e forneça informações claras sobre o job description e a cultura organizacional. Essa transparência permite que tanto a empresa quanto o candidato ganhem tempo, atraindo pessoas interessadas e capacitadas para trabalhar juntos.

Invista na página de carreiras

No início da jornada do candidato, é comum que ele tenha dúvidas sobre a empresa e se vale a pena concorrer à vaga. Ou seja, ainda está considerando a hipótese de se candidatar. 

Sendo assim, a página de carreiras funciona como uma ótima estratégia para posicionar a marca empregadora no meio digital.

Por meio dela, você consegue mostrar como a empresa funciona enquanto lugar para se trabalhar, reúne informações importantes sobre a rotina de trabalho e transmite a cultura e clima organizacionais.

Uma dica é incluir estratégias que demonstrem qual a proposta de valor da empresa, como feedback dos funcionários, fotos do ambiente e notícias sobre eventos, por exemplo.

Use formulários de aplicação

Ter um formulário enxuto e inteligente é uma boa maneira de coletar dados necessários sobre o candidato. Isso garante que as informações sejam coletadas e tratadas de forma ágil, rápida e eficiente. Como a base de dados está na nuvem, é mais fácil gerar relatórios e ter uma infraestrutura qualificada para futuras contratações. 

Porém, evite burocratizar demais essa etapa. A ideia é torná-la ágil tanto para o recrutador quanto para o candidato. Ou seja, não faz sentido criar formulários extensos demais que o candidato leva horas para preencher. Isso proporciona uma experiência negativa para o candidato, trazendo um sério risco de desistência.

Faça desafios digitais

Outra sugestão para fazer contratações remotas é investir em desafios. Eles funcionam como jogos ou testes que coletam dados de forma leve e natural, por meio de perguntas, disputas ou superação de obstáculos.

Cada escolha que o candidato faz tem muito a dizer sobre o seu perfil. Assim você pode entender pensamentos, valores, hábitos e até medir conhecimentos (gerais e específicos), permitindo conhecer a trajetória do candidato sem interferências pessoais. 

Crie projetos de teste

Na prática, um projeto de teste é um programa provisório e específico para o processo seletivo. Você pode determinar resultados a serem alcançados dentro de uma problemática, determinando uma equipe para o projeto.

É uma dinâmica de role play, que permite avaliar diversas competências, sobretudo, skills essenciais para o trabalho remoto. Também é um método interessante para avaliar os candidatos de forma colaborativa. 

Com o projeto de teste, os recrutadores conseguem prever cenários caso contratassem determinados candidatos, analisando como interagem com os integrantes da equipe e se existe sinergia.

Prefira entrevistas por videochamada

Algumas empresas utilizam softwares de recrutamento e seleção até a etapa de contratação, quando convidam o candidato para a entrevista presencial. Mas, numa contratação remota, você pode fazer tudo de forma virtual.

Para agilizar o processo seletivo remoto, você pode solicitar videocurrículos e bate-papos curtos. Assim, consegue validar o match entre empregador e candidato e identificar se existe interesse em prosseguir na jornada. 

No momento de decisão, use ferramentas de videochamadas para reunir o candidato com os envolvidos nessa escolha, como o recrutador, o líder direto e um colega sênior, por exemplo.

Prepare o onboarding digital

Sabemos que o onboarding é uma etapa fundamental para orientar o novo colaborador e engajá-lo com a equipe (que ainda faz parte do processo seletivo). E, como estamos falando de uma contratação remota, resolvemos incluir algumas ações de integração online.

Antes de tudo, tenha em mente quais são as informações mais importantes. Lembre-se que o novo funcionário deseja conhecer melhor a rotina de organização e interação com os colegas. Então, uma sugestão é fazer chamadas em vídeo para apresentar a equipe, contar histórias da empresa e até nomear alguns tutores para ajudar no entrosamento. 

Também existem outras alternativas para orientar as funções e boas práticas da empresa, como e-mails, vídeos e conteúdos interativos. Mas é importante que a linguagem utilizada comunique as informações com clareza e objetividade.

Como a tecnologia certa pode agilizar sua contratação remota? 

Já explicamos como a tecnologia é necessária na contratação remota. As plataformas de recrutamento e seleção, em geral, podem colaborar na digitalização desse processo, ajudando a contratar candidatos qualificados de forma virtual, mesmo com alto volume de vagas.

Mas com o Taqe você pode ir além. Nosso software foi projetado para ser uma plataforma totalmente integrada, que permite fazer tudo em um único espaço:

  • definir o perfil ideal;
  • divulgar as vagas;
  • fazer triagem de currículos;
  • analisar o perfil de competências e de comportamento dos candidatos;
  • manter um banco de dados super qualificado!

Além disso, com o uso da Inteligência Artificial, você pode dar match no candidato em poucos cliques, porque a ferramenta automatiza o cruzamento dos dados coletados com o perfil mapeado.

É um software leve e intuitivo. Ele proporciona uma experiência agradável para o candidato, o que é essencial no posicionamento da marca empregadora. Por outro lado, também permite às empresas tomar decisões com análises preditivas, demonstradas em relatórios e dashboards completos.

Tudo isso é feito de forma remota. Portanto, além de garantir o isolamento social dos envolvidos, todos têm a flexibilidade de participar do processo de qualquer lugar do mundo.

Diante de tudo que falamos, ficou claro o quanto a contratação remota é uma necessidade para todas as empresas, independentemente do segmento e do porte de atuação. Ainda bem que você pode contar com o apoio da tecnologia para atrair candidatos com essas características e automatizar o recrutamento e seleção.

Então, que tal experimentar o Taqe para fazer essa contratação remota? Agende agora uma demonstração da nossa plataforma!

 

Topics: Recrutamento e seleção, Processo Seletivo

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts