Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

Medindo a produtividade em forças de trabalho remotas

Marcelo Marcondes - Atração de Candidatos

As organizações hoje estão respondendo a uma nova normalidade, com muitos trabalhadores agora trabalhando remotamente em tempo integral. A natureza dessa transição gerou uma questão importante:Como podemos medir melhor a produtividade dos trabalhadores? Qual é o futuro da força de trabalho móvel?

CHROs e CIOs vencedores já habilitaram forças de trabalho móveis por meio de tecnologias colaborativas. Eles agora devem determinar a melhor forma de medir a eficácia e, em última análise, se esses trabalhadores retornarão ao escritório. Eles estão respondendo a isso de várias maneiras:

  1. Análise avançada e percepções relacionadas à força de trabalho para medir a eficácia e orientar as oportunidades de desenvolvimento.
  2. Estratégias de talentos renovadas e capacidades organizacionais que apoiam e incentivam novas formas de trabalho.
  3. Requalificação multimodal rápida e fluida.

Ao investir nessas áreas e adotar uma abordagem mais baseada em dados e análises para monitorar a produtividade, inovação e desempenho, os CHROs podem posicionar suas empresas para se recuperar e prosperar à medida que o mundo volta ao trabalho. Para começar, devemos medir a produtividade, o engajamento e a inovação.

Medindo a produtividade em trabalhadores

Trabalhadores móveis e remotos não são novidades. Certas partes da força de trabalho trabalharam remotamente desde a revolução industrial. Por exemplo, a força de trabalho de vendas e os executivos de contas geralmente estão localizados longe da sede da empresa e passam o tempo com os clientes em campo.

Nos últimos anos, ferramentas de software colaborativas e conexões de Internet de alta velocidade - bem como esforços corporativos para reduzir custos imobiliários, ampliar grupos de talentos para incluir trabalhadores que moram longe de escritórios e atrair e reter conjuntos de habilidades difíceis de encontrar - todos contribuíram para um grupo crescente de trabalhadores do conhecimento localizados remotamente. 

Ma, esses trabalhadores são tão produtivos e inovadores quanto os trabalhadores em escritórios centralizados? Como as organizações podem gerenciar a eficácia e medir a produtividade?

 

A produtividade dos trabalhadores tem sido historicamente medida em unidades de produção por hora, com unidades enquadradas de uma forma que seja fácil de contar: unidades produzidas, transações concluídas, etc. A produtividade dos trabalhadores do conhecimento requer uma abordagem diferente.

Uma parte significativa da contribuição de um trabalhador do conhecimento para sua organização vai além das unidades que produzem. Também fazem parte da medida ao considerar as decisões sobre arranjos de trabalho móvel, fatores que demonstram como cada pessoa apoia a produtividade do grupo como um todo, tais como:

  1. Coesão social: Todos trazem conhecimentos específicos para o trabalho. O quão bem eles compartilham esse conhecimento e experiência e quão útil isso é nos dá um quociente de valor.
  2. Compartilhamento de informações: mede a maneira e a oportunidade em que a produção do trabalho executado é distribuída às partes interessadas e às pessoas dependentes delas.
  3. Clareza da meta: Esta é uma medida cultural intimamente ligada a como funciona a gestão de desempenho em cada organização. No entanto, a produtividade está altamente relacionada com o envolvimento emocional dos trabalhadores com o trabalho que realizam. Esse envolvimento geralmente vem de equipes que têm um entendimento comum dos objetivos subjacentes ao seu trabalho.
  4. Alcance externo: Quão ampla é a rede fora da organização que cada funcionário tem, e como eles puxam isso para o trabalho que fazem para a organização? Isso alimenta o pensamento criativo e impulsiona a inovação.
  5. Confiança: Qual é a medida da confiança de outras pessoas na organização na qualidade e no valor do trabalho de alguém?

A evolução das tecnologias mudou rapidamente a natureza dos empregos, complicando os esforços para monitorar as medidas ao longo do tempo. As tendências recentes da força de trabalho que trazem tecnologia para os empregos têm, até o momento, focado principalmente em mudar o que o trabalho é feito por humanos e como.

A tecnologia no local de trabalho é usada para criar uma parceria entre humanos e máquinas, aproveitando a automação de processos robóticos, aprendizado de máquina e inteligência artificial para aprimorar o desempenho. Com essas inovações, podemos reduzir custos e tirar horas de atividade fora das tarefas, mas a nova tecnologia melhora as medidas de produtividade tradicionais em torno da qualidade e quantidade reais?

Quando aplicada de maneira eficaz, a resposta é sim, de acordo com os autores de Human + Machine Paul Daugherty e H. James Wilson. Como escreve Wilson, "O verdadeiro valor da IA ​​só pode ser desvendado quando humanos e máquinas trabalham de maneiras complementares. Na verdade, nossa pesquisa mostra que as parcerias colaborativas entre humanos e máquinas estão regular e amplamente superando as equipes exclusivamente humanas e mecânicas." 

Para não perder as melhorias oferecidas pela implementação de novas tecnologias, as medições de produtividade do trabalhador do conhecimento devem permitir uma imagem em evolução do trabalho do dia-a-dia.

Um modelo de produtividade do trabalhador do conhecimento não será, portanto, uma medida ou fórmula simples, pois deve permitir a natureza mutável do trabalho e incluir contribuições de produtividade diretas e indiretas. Também varia de acordo com a natureza do negócio. 

Uma empresa de contabilidade pode medir a precisão e pontualidade dos relatórios e análises com ênfase no compartilhamento de informações, enquanto uma empresa de alta tecnologia mede não apenas a produção de um profissional de DevOps em termos de linhas de código, mas também o quão eficiente é o código, bem como o quão bem eles promovem a coesão social para ajudar a aprimorar as habilidades da equipe.

Considere modelos matemáticos estocásticos que atribuam peso adequado a cada fator para a organização específica e permitem a comparação com outras organizações.

Uma nota lateral sobre benchmarking para trabalhadores do conhecimento: para obter uma comparação verdadeiramente significativa, é fundamental não comparar apenas organizações semelhantes, mas diferenciar por função ou tipo de trabalho e usar benchmarks de grupos e organizações que realizam trabalhos semelhantes.

O modelo de produtividade é um desafio contínuo, pois as métricas e os padrões continuarão a evoluir em uma economia baseada na informação.

Como disse Peter Drucker: "Se você não consegue medir, não consegue administrar". E se você não consegue gerenciar isso, não pode levar esse conhecimento para a força de trabalho móvel e garantir a eficácia dos trabalhadores que podem não estar mais na linha de visão de seus supervisores.

Fonte: Forbes.com

Topics: Recursos Humanos, Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts