Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

Chegou a hora de oferecer extrema flexibilidade no trabalho

Amanda Biasioli

Author: Sara Whitman 
https://www.forbes.com

Tradução: Taqe

Sou diretora RH e apoio a extrema flexibilidade no trabalho. Deixe-me dizer o que isso significa.

Se você deseja que os funcionários trabalhem duro, dê o melhor de si, aproveitem o seu trabalho, aproveitem o verdadeiro eu e aceitem as diferenças dos outros, vale a pena considerar esses nove princípios que definem extrema flexibilidade.

1. Procure entender

Os funcionários se conhecem melhor. Como empregador, faça a seus funcionários estas perguntas:

  • Em que condições você faz o seu melhor trabalho?
  • Quando?
  • Onde?
  • O que normalmente atrapalha?

Então pergunte novamente. E de novo. Porque as respostas mudam com base na situação e circunstância. Quando você pode ouvir e começar a entender as respostas dadas, é mais capaz de criar as condições para que o melhor trabalho de seus funcionários aconteça.

2. Dê espaço para erros:

Sabemos que os erros são essenciais para a inovação. Uma vontade expressa de cometer erros e fazer as coisas de maneira diferente requer liberdade e uma longa pista. Ao controlar o trabalho e as condições de trabalho dos funcionários, você obstrui o resultado antes que o potencial possa surgir. Ao deixar de lado e aceitar - e até celebrar - falhas, você cria um ambiente em que faíscas acontecem. Eles se conectam e crescem, impactando exponencialmente seu resultado.

3. Incentive o trabalho de qualquer lugar: 

Como pessoas que vivem em um mundo hiper conectado, muitos de nós lutam com a necessidade de estar em muitos lugares ao mesmo tempo. Estamos perseguindo carreiras e atividades pessoais, tentando aperfeiçoar a arte da agitação sem perder momentos importantes da família e interesses pessoais. Quando os funcionários podem escolher onde trabalhar, podem estar mais presentes em experiências de vida significativas. A culpa e a preocupação advindas de ter que escolher uma ou outra diminui. As pessoas podem aproveitar o melhor do que estão construindo no trabalho com o que também estão construindo em casa.

4. Ofereça férias ilimitadas: 

Existem várias escolas de pensamento sobre políticas de férias ilimitadas. Uma é que as políticas têm um impacto não intencional e desencorajam as pessoas a tirar uma folga por medo de parecerem más para gerentes e colegas. Outra é que as organizações sofrerão financeiramente e afetarão a produtividade se as pessoas abusarem do privilégio tirando férias "demais". Outra ainda é que as pessoas se auto monitoram e se adaptam com base nas normas organizacionais e nas necessidades individuais. O último é a minha crença. Dar às pessoas o tempo que elas precisam para descansar e rejuvenescer.  O tipo de funcionários que você deseja,  usará a flexibilidade como pretendido.

5. Siga a regra das emoções: 

Toda pessoa tem um limiar cognitivo diferente e capacidade de se recuperar e trabalhar através da tristeza ou perda de um animal de estimação ou dos pais, do divórcio ou de qualquer outra coisa que a vida possa nos lançar. Essas coisas, e nossa necessidade de gerenciá-las de nossa própria maneira, nos tornam humanos. Os empregadores devem reconhecer e encontrar maneiras de acomodar como lidamos com as dificuldades da vida. Isso significa focar na inteligência emocional e desenvolver habilidades e entendimento entre funcionários, gerentes e líderes. As experiências emocionais não estão indo a lugar algum. É hora de os empregadores negociarem.

6. Apoie o estabelecimento de objetivos profissionais e pessoais

Em um mundo de trabalho com extrema flexibilidade, as abordagens de estabelecimento de objetivos permitem que os funcionários trabalhem em direção a objetivos profissionais e pessoais, como Kim Scott aborda em seu livro Radical Candor. A maioria dos funcionários não estará com um empregador durante a carreira. Mas, enquanto eles são uma parte essencial da vida um do outro, pode ser mais significativo quando as pessoas avançam em direção a seus objetivos de vida.

Deseja possuir uma fazenda de alpacas e você trabalha no setor bancário? Como sua função bancária pode prepará-lo para essa busca? Crie seu conhecimento financeiro. Entenda o processo de empréstimo e quais abordagens oferecem os melhores retornos, e assim por diante. Manter essas conversas abertas e, em seguida, apoiar as metas com tarefas direcionadas manterá seus funcionários envolvidos e agregará significado às suas funções.

7. Dê o benefício da dúvida: 

Normalmente, quando um funcionário não atende às expectativas, os empregadores criam uma história sobre o porquê. Talvez a pessoa não tenha o conjunto de habilidades correto. Talvez eles não tenham se esforçado ou procurado apoio. Em vez disso, comece compartilhando um feedback claro e direto sobre o que está faltando. Siga isso com perguntas diretas e claras para ajudar a entender a situação. Finalmente, suspenda o julgamento e esteja aberto às possibilidades. Dar esse benefício à dúvida até que a situação prove o contrário economizará tempo e energia, ao mesmo tempo em que cria o tipo de confiança no trabalho que tanto os empregadores quanto os funcionários desejam.

8. Colabore como se sua vida dependesse disso:

A melhor ideia é sagrada. Trazê-lo à vida significa trabalhar com muitas abordagens não tão boas ou semi boas até que a correta seja acionada. Você pode saber muito. Você pode ser inteligente e ter ótimas ideias. Mas você é muito melhor com a pessoa que senta ao seu lado e está comprometido a alcançar os mesmos objetivos.

9. Abrace a jornada de carreira:

Eu costumava trabalhar com um gerente de contratação que se recusava a considerar um candidato com uma lacuna de currículo ou qualquer mudança de emprego em menos de dois anos. Tenho novidades para ela: boa sorte em encontrar os melhores talentos. As trajetórias de carreira não são tão rígidas como eram antes e, muitas vezes, os melhores talentos querem nomear suas próprias horas, escolher seus próprios projetos e trabalhar quando quiserem. Os empregadores precisam adotar essa mentalidade com seus funcionários em período integral, se quiserem competir. Enquanto estamos no assunto, rejeitamos todo o julgamento sobre se é melhor seguir a carreira na mesma empresa, ou se o salto em empregos oferece uma experiência melhor ou demonstra uma falta de comprometimento.

Muitos líderes organizacionais dirão que essa ideia de extrema flexibilidade não funcionará para seus negócios. Mas não há outra escolha; esse é o futuro do trabalho. 

 

Topics: Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts