Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

Employer branding: como impactado positivamente durante a crise?

Renan Macrini

Não precisamos dizer que estamos vivendo tempos sem precedentes. Como líderes empresariais e profissionais de RH, a maneira como reagimos em tempos de crise tem um impacto significativo em nossos negócios.

Embora nunca se tenha passado por uma situação como essa, várias organizações já passaram pela bolha das pontocom e pela crise financeira de 2008. Nas duas ocasiões impactos foram sentidos, mas foi possível alcançar a prosperidade. E desta vez também será!

Vamos compartilhar algumas das lições dessas crises com outros líderes e profissionais de RH. O primeiro passo, entretanto, é a necessidade de realmente entender os impactos a longo prazo das nossas decisões em relação a nossa cultura e marca empregadora.

Não há dúvida de que muitos de nós terão que tomar algumas decisões difíceis. Quando a economia se agrava, demissões, cortes de salários e benefícios estão todos prestes a acontecer. Isso é apenas parte dos negócios. Muitas organizações estão entrando no modo de sobrevivência e fazendo cortes agressivos para garantir sua sobrevivência.

O problema é quando as decisões irão prejudicar as empresas seriamente a longo prazo.

Decisões em crises podem promover a lealdade ou gerar ressentimento

Como líderes e profissionais de RH, temos uma oportunidade interessante em nossas mãos. Sabemos que as pessoas se lembram agudamente de tempos de crise. Eles terão memórias muito fortes e reações emocionais de como as pessoas os trataram durante esse período.

Se demonstrarmos nosso compromisso com nosso povo, tratando-o com dignidade e respeito, eles se lembrarão disso por anos. Tratando nosso pessoal com compaixão e fazendo o possível para proteger seus meios de subsistência, podemos criar um tremendo senso de lealdade e confiança com nossas equipes.

Mas se demitirmos as pessoas sem aviso prévio ou cortamos salários sem atrapalhar nosso próprio salário, deixamos claro onde estão nossas prioridades. Estamos todos procurando maneiras de cortar despesas. Mas o dano que causamos à marca e à cultura de nossos empregadores com cortes agressivos e sem coração agora pode ser ainda mais caro a longo prazo.

A economia se recuperará mais cedo ou mais tarde e, quando isso acontecer, precisaremos aumentar as contratações. Também precisaremos do melhor de nossas equipes. Mas se sabotarmos a marca e a cultura de nosso empregador apenas para sobreviver, lutaremos contra a contratação e nossas equipes oferecerão desempenhos sem brilho.

Então, o que os profissionais de RH e os líderes de negócios devem fazer para se posicionar para o sucesso a longo prazo?

Coloque seu dinheiro onde está sua boca

Se você realmente aprecia o valor e a importância do seu pessoal, não corte o salário deles sem sofrer um golpe. Embora tenhamos que cortar salários em minha equipe, os salários dos líderes devem ser cortados também. Nossas ações falam mais alto que palavras.

Se você precisar demitir alguém, tente suavizar o golpe

Mesmo que façamos tudo certo, às vezes precisamos fazer demissões. Não há como adoçar; demissões são difíceis para todos. No entanto, podemos amenizar o golpe avisando nossa equipe com antecedência.

Compartilhe regularmente a realidade das circunstâncias com toda a equipe para prepará-las com todas as opções. Não podemos prever o futuro, mas podemos dizer à equipe: "Se o X acontecer, talvez seja necessário Y." Isso ajuda as pessoas a planejar os piores cenários. No geral, alguns avisos tornam as pessoas um pouco mais fáceis se elas perderem o emprego.

Lembre-se das necessidades de talentos de longo prazo

Compreendo a necessidade de cortar custos agora, mas precisamos manter nossas necessidades de talentos de longo prazo em mente. Em 2008, teve empresas fazendo demissões em massa, apenas para se encontrar em grande desvantagem quando a economia começou a se recuperar.

Nossos clientes não esperam que recrutemos todos novamente. A despesa de curto prazo de manter os funcionários a bordo pode valer a pena, a fim de atingir o terreno correndo mais tarde. As empresas que sobrevivem a uma desaceleração tendem a florescer ou estagnar na recuperação, e isso geralmente se resume à sua estratégia de talento.

Nossas ações agora determinarão a força de nossa cultura e marca empregadora por anos. Devemos lembrar que nosso objetivo não é apenas sobreviver, mas prosperar quando a pandemia passar e a economia se recuperar. Nosso pessoal será crucial para que isso aconteça.
Fonte: Forbes.com

Topics: Recursos Humanos

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts