Agende uma Demo >

O Maior Hub de RH do Brasil | Taqe

Nova call to action

8 Líderes de RH compartilham o que aprenderam sobre gerenciamento durante o COVID

Renan Macrini

Até agora, todos nós sabemos que o Covid-19 tem sido uma experiência incrivelmente difícil de várias maneiras. O impacto mundial do vírus - na saúde das pessoas e na economia - é algo que nunca testemunhamos em nossas vidas.

Existem tantas incógnitas, e com isso vem muito medo e ansiedade. É nesses tempos difíceis que a grande liderança é tão crucial. Precisamos de pessoas que possam ajudar as equipes a navegar em seu novo normal, ajustar-se à uma maneira diferente de viver e trabalhar e esperar um futuro cada vez mais incerto.

Então, como é a grande liderança em tempos como esse? Veja o que esses oito diretores executivos e outros líderes de RH aprenderam até agora durante a pandemia.

1. "Fui lembrado do poder de diversas equipes"

Lisa Friscia, Chief People Officer, Democracy Prep Charter Schools

Nos últimos meses, Lisa Friscia compartilhou: “Lembrei-me do poder de diversas equipes e que o melhor uso do meu tempo é criar uma infraestrutura na qual [ todos da minha equipe] se sentem à vontade para compartilhar seus pontos de vista, debater e colaborar em uma solução.”

Friscia sabe que “as pessoas querem essencialmente fazer parte de uma solução”, o que é benéfico, porque superar os desafios que sua equipe enfrenta requer uma abordagem totalmente prática.

"Sempre enquadrei as reuniões de nossa equipe como uma pergunta", explicou Friscia. "Mas quando a crise começou, descobri que alguns membros mais jovens da equipe eram cautelosos ao participar." Para corrigir isso, ela implementou essas três práticas principais:

  • Enviar uma agenda da reunião com antecedência, dando a todos tempo de preparação
  • Convocar as pessoas com base em sua experiência, o que ajudou os membros mais jovens a se sentirem mais à vontade;
  • Falando sobre artigos que leem, podcasts que estão ouvindo e outros recursos diversos, que "deram a todos acesso a uma conversa".

"Mais diálogo aberto levou a soluções de maior qualidade e maior agilidade", acrescentou Friscia. "Fora da crise, surge uma oportunidade, e minha equipe e eu estamos empolgados em continuar esse trabalho no futuro."

 

2. “Mais slots mini-time para reuniões de gerenciamento”

Jennifer Hill, diretora de operações e conselheira geral da Remedy Analytics

Quando a crise se desenrolou, Jennifer Hill e sua equipe na Remedy Analytics criaram mais tempo para as reuniões de gerenciamento. "Apesar de muitas vezes sermos pressionados a agendar devido a viagens focadas no cliente", compartilhou Hill, "estar em casa significa que é mais fácil encontrar vagas de 60 a 90 minutos por dia".

Para sua surpresa, essas reuniões virtuais foram bastante eficazes: “Conversas mais curtas, mas mais frequentes (de 2 a 3 vezes por semana) concentram nosso trabalho de maneira mais eficiente”, observou Hill. “Podemos fazer circular notas para digerir a conversa anterior, resumir o acordo e depois usar esses aprendizados para avançar efetivamente para o próximo assunto. Dessa maneira, ficamos mais rápidos do que em um dia inteiro fora do local.”

Esse novo método tem sido tão eficaz, de fato, que Hill disse que a equipe "usará esse modelo daqui para frente, em vez de se concentrar apenas nas reuniões pessoais durante todo o dia que podem ser difíceis de agendar".

3. “Lidere Com Compaixão”

Pat Wadors, Diretor de Talentos, ServiceNow

Pat Wadors tem o objetivo de "sempre tratar as pessoas lindamente". Com isso em mente, seu insight destacado não é surpresa. "O conselho que eu daria a outras pessoas é garantir que você esteja liderando com compaixão", ela ofereceu.

“Líderes compassivos podem dizer: 'Sinto sua dor e tenho ferramentas que podem ajudá-lo.' Por exemplo, fiquei impressionado com quantas pessoas da minha equipe têm crianças pequenas, então eu decidi que, como estamos todos trabalhando remotamente, não devemos ter reuniões entre as 11 e as 14 horas, para que meus funcionários possam almoçar com seus filhos e ajudar a colocá-los para dormir.”

No futuro, essa abordagem "me permitirá ter mais liberdade para ser perfeitamente imperfeita", explicou Wadors. “Todos sabemos que houve soluços. Estamos todos fazendo malabarismos com trabalho e vida pessoal. Todos nós precisamos ter perdão por sermos imperfeitos. Inclinar-se nessa mentalidade "perfeitamente imperfeita" nos permitiu já estar mais engajados e ter uma mentalidade ágil, que espero que continue quando voltarmos ao escritório ".

 

4. "Precisamos saber o que está acontecendo com nossos funcionários"

Christy Lake, Chief People Officer, Twilio

 “De repente, nosso trabalho, família, escola e vida social estão acontecendo em um único espaço, e os funcionários estão lidando com essas responsabilidades muitas vezes conflitantes. Antes, o foco dos gerentes e líderes era em como criar um ambiente de trabalho que parecia seguro para todos serem eles mesmos. Agora, estamos literalmente vendo a casa e a vida dos funcionários de maneira direta e íntima. Isso significa que os gerentes são realmente responsáveis ​​por todo o ser humano, não apenas pelo funcionário.”

Lake acredita que este é um momento crucial para aqueles em posições de liderança.

“Temos a oportunidade e a responsabilidade de reformular o gerenciamento com base nessa experiência. Precisamos saber o que está acontecendo com nossos funcionários para acomodar a flexibilidade e ajudar as pessoas a serem as melhores e mais produtivas versões de si mesmas. Essas conversas anteriormente desconfortáveis ​​sobre a integração entre vida profissional e pessoal que estavam ocultas antes - agora são parte padrão do gerenciamento bem”.

O Twilio já começou a implementar novas práticas e políticas para se ajustar a esse "novo normal", como oferecer suporte a horários de trabalho flexíveis, explorar uma força de trabalho mais distribuída geograficamente e experimentar o que eles chamam de "sem reunião às sextas-feiras", que oferece um dia ininterrupto a cada semana para realizar o trabalho e atender às obrigações pessoais.

5. "Inteligência emocional é mais importante do que nunca"

Claude Silver, Chief Heart Officer, VaynerMedia

"É um fato conhecido que os seres humanos estão conectados à conexão e, portanto, essa não é uma visão 'nova' de forma alguma", explicou Claude Silver. “No entanto, é algo que podemos ter como certo e agora temos o corpo de evidências para ver como as relações são necessárias para nós. A inteligência emocional e a fluência emocional são fundamentais agora mais do que nunca; mostrar nossas vulnerabilidades e humanidade é a porta de entrada para criar vínculos autênticos com seus colegas de trabalho.”

Silver acrescentou que “os vínculos que criamos com outras pessoas dão às nossas vidas não apenas propósito e significado, mas também uma sensação geral de felicidade e bem-estar, e isso nunca foi tão essencial quanto hoje durante esta epidemia. Esses laços podem aliviar a solidão e criar segurança, além de desenvolver novos rituais entre pessoas e equipes, o que, por sua vez, traz uma sensação maior de pertencer a todos.”

O conselho de Silver para criar essas conexões fortes? “Lembre-se de ouvir outras pessoas, validá-las e abrir espaço para a outra pessoa compartilhar sua experiência”, diz ela.

6. "A cultura é uma coisa viva"

Tony Vlahos, contador de histórias e chefe de marca e aprendizado, ExecuNet

Nos últimos meses, Vlahos foi lembrado sobre o que realmente importa quando se trata da ExecuNet, uma empresa que ajuda executivos de alto nível na busca de emprego e na carreira. "Os sistemas e gráficos da organização, onde as pessoas estão localizadas fisicamente, seus cargos e quem se reporta a quem - essas coisas não são a empresa ou sua cultura", compartilhou Vlahos. “A cultura está viva e a empresa está mudando constantemente. Por ser uma coisa viva, tem que provar sua resistência e adaptação, especialmente em uma crise.”

Vlahos acredita que, agora mais do que nunca, a equipe ExecuNet precisa se concentrar em fazer as coisas que importam e realizá-las da maneira mais excelente possível. "Todos os dias, a organização precisa responder à pergunta: somos o tipo de empresa que faz coisas assim?"

Ele acrescentou: "Quando chegarmos ao outro lado e olharmos para trás, poderemos dizer que reconhecemos emoção. Entendemos o que os executivos de alto escalão em transição estavam sentindo e o que estavam enfrentando. Continuamos focados e lidamos com a mudança lindamente. Nós nos importamos, criamos coisas novas e fizemos uma grande diferença na vida das pessoas.”

 7. "Os valores são mais importantes do que nunca"

Christine Vice, diretora de recursos humanos da  Nordstrom

De acordo com Christine Deputy, “em tempos de incrível incerteza e quase nenhum precedente, é mais importante do que nunca ser guiado por seus valores. Nas organizações em que os valores são fortemente mantidos e compreendidos, todos são capazes de se alinhar rapidamente com o que deve ser o curso de ação certo.”

Isso não é novidade, mas ela diz que a pandemia ampliou sua importância. “Na Nordstrom”, ela acrescentou, “temos valores fortes e bem compreendidos, o que nos permitiu avançar rapidamente. Ao tomar decisões em um ambiente repleto de incógnitas, podemos nos orgulhar de estar mantendo nossa cultura durante essa crise.”

 

Falando em cultura, a Deputy também observou que a pandemia mostrou à equipe que “a cultura da empresa pode viver além da nossa capacidade de estar em um escritório, loja ou centro de atendimento todos os dias”.

A chave para mantê-lo assim? “Você não pode se comunicar demais ou ser muito transparente. Aprendemos que, mesmo em escala, podemos nos mover mais rápido do que imaginávamos. Acho que continuaremos a nos mover rapidamente e a nos comunicar com frequência, mesmo quando não tivermos todas as respostas".

8. “Existe uma enorme necessidade de ser mais pessoal”

Kate Barney, Diretora de Recursos Humanos - Global Business Solutions, TikTok Americas

Nesse novo ambiente quase completamente virtual, a TikTok Americas está focada na criação de conexões pessoais entre colegas de trabalho. "Como estamos perdendo a conexão cara a cara", explicou Kate Barney, "há uma enorme necessidade de ser mais pessoal e construir conexões de uma maneira completamente nova".

Para conseguir isso, a liderança do TikTok está experimentando reuniões temáticas, happy hours virtuais e o favorito de Barney: noites de cinema. "Todos tocam 'play' ao mesmo tempo em um filme clássico e juntos vivemos por bate-papo com nossos comentários."

"Com a vida doméstica combinando com a vida profissional, descobrimos oportunidades nesse novo estilo de trabalho como uma maneira de conectar nossas equipes em um nível mais profundo e pessoal", disse Barney.

E, ela acrescentou, isso realmente permitiu que a equipe se aproximasse e adotasse a autenticidade (que a plataforma TikTok centraliza) de novas maneiras: “Na TikTok, estamos usando isso como uma oportunidade para mostrar às equipes que nos importamos com elas e que celebrar os pequenos momentos é tão importante quanto os grandes. Vimos equipes se unindo e construindo um vínculo mais estreito agora do que nunca, e é emocionante ver como nossas equipes continuarão implementando essas iniciativas aparentemente pequenas, mas criativas, para criar nosso senso de comunidade.”

Fonte: www.forbes.com

Topics: Recursos Humanos, Gestão de pessoas

Nova call to action

Conteúdo exclusivo sobre RH! Inscreva-se:

Últimos Posts